24/06/2020

Categoria lota porta do prédio sede em defesa da Cedae pública

 

Ceadaeanos e cedaeanas de vários setores da companhia – Capital, Baixada e interior - além de lideranças comunitárias e de várias entidades de luta, formaram um grande bloco contra a privatização da Cedae, no ato nesta quarta-feira, dia 24 de junho.

 

Os sindicatos unificados – Sintsama-RJ, Staecnon, Sinaerj, Aseac, Sindágua , Sindicato dos Engeneiros–, junto com os trabalhadores e moradores de diversas comunidades do Rio, deram um abraço histórico no prédio sede da Cedae, no centro do Rio, para defender a manutenção da empresa pública. Para o Sintsama-RJ, o governador Wilson Witzel, que sofre com um processo de impeachment, não tem moral para levar à frente a venda da companhia.

 

Na porta do prédio sede, cedaeanos de diversas unidades de trabalho se uniram aos sindicatos para fazer esse grande protesto. As necessárias medidas de segurança foram tomadas, todos estavam de máscara. O álcool em gel também foi disponibilizado, até mesmo o microfone foi higienizado após cada intervenção. Durante o abraço simbólico os manifestantes também lembraram as mais de 50 mil vítimas da Covid-19, entre elas muitos trabalhadores da Cedae.

 

No seu discurso, o diretor executivo do Sintsama-RJ, João Xavier, também fez uma homenagem ao diretor de Formação do Sindicato, Marcelo da Costa Barros, que faleceu de AVC.

 

Luta contra a privatização

 

“Não poderíamos deixar de denunciar esse crime contra o povo do Rio de Janeiro. A Cedae leva água e saúde para a população. A água é necessária para combater o novo coronavírus, as pessoas precisam ter água em casa para poder lavar as mãos. Temos uma empresa lucrativa, agora precisa de mais investimentos nas áreas carentes. O governador está na contramão do mundo, onde as empresas de saneamento estão sendo reestatizadas. Onde privatizou quem mais foi prejudicado foi a população mais carente por conta do aumento das tarifas. Água é vida, não é mercadoria”, finaliza o presidente do Sintsama-RJ, Humberto Lemos.

 

No ato também estiveram os deputados estaduais Gustavo Schmidt e Waldeck Carneiro, que discursaram contra a venda da Cedae.  A ONG Baía Viva e o Seaerj também estiveram presentes, além do presidente estadual do PRTB, Jimmy Pereira, e o assessor da deputada estadual Enfermeira Rejane

 

O presidente da CTB-RJ, Paulo Farias, denunciou a privatização do saneamento através do PL 4162. “Esse projeto vai fazer com que as empresas multinacionais tomem de assalto os recursos hídricos do nosso país. Aqui no Rio de Janeiro estamos juntos na luta com todos os trabalhadores para barrar a tentativa de privatização que o Witzel quer fazer, mesmo atolado até o pescoço com os escândalos de corrupção. Esse abraço demonstra a nossa indignação contra esse processo obscuro”, declara Paulo Farias.

Nossa rede social:

Clique acima para Edição Atual

NASCENTE